Wushu no Brasil

O Wushu foi introduzido no Brasil na década de 60, tendo como principais introdutores os Grão-mestres Chan Kowk Wai, Chiu Ping Lok e  Wong Shing Keng, que no início ensinavam somente para a comunidade de imigrantes chineses do Brasil. Após alguns anos, passaram a ensinar também aos brasileiros e, rapidamente, a modalidade se difundiu no país, havendo a necessidade de uma melhor organização.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE KUNGFU WUSHU – CBKW

Fundada no dia 9 de maio de 1992, a CBKW é a entidade nacional que administra e promove a modalidade Kungfu Wushu no País, cuja a Ata de Fundação constam como filiadas e membros fundadores as Federações dos estados do Amazonas, de Goiás, de Minas Gerais, de Santa Catarina e de São Paulo.

Os sucessivos presidentes da CBKW foram: o Sr. Enio Carlos Cuono, o Sr. Nereu Graballos e, atualmente, o Sr. Marcus Vinicius Fernandes Alves, atual presidente.

 

Hoje a CBKW conta com 25 Federações Estaduais filiadas, em 25 Estados brasileiros.

Último Censo realizado com as filiadas da CKBW em 2014:

Total estimado de praticantes no país: 220.000

 

Total de atletas filiados no país: 15.053

Distribuição percentual dos praticantes por gênero

A CBKW é membro fundador da International Wushu Federation – IWUF. A IWUF (www.iwuf.org) conta com Federações Nacionais
em 149 países e está presente nos 5 continentes. A entidade foi oficialmente reconhecida pelo International Olympic Committee em Fevereiro de 2002. A CBKW, por sua vez, foi reconhecida e vinculada ao Comitê Olímpico do Brasil – COB em dezembro de 2000.


A CBKW já organizou 27 Campeonatos Brasileiros, 3 Campeonatos Panamericanos (Manaus – 2000, Campinas – 2008 e Santo André – 2015) e 1 Campeonato Sulamericano (São Paulo – 2007).

 

O Brasil tem vários medalhistas em Campeonatos Mundiais e inúmeros Campeões Panamericanos e Sulamericanos. Destacam-se dois Campeões Mundiais de Sanda (combate): Jaimes Aires, em Beijing-China/1991, na categoria até 85Kg; e Eduardo Fujihira, em Yerevan-Armênia/2001, na categroia até 80Kg e uma Campeã Mundial em Taolu, a atleta Tânia Sakanaka em Jakarta-Indonésia/2015, na categoria Baguazhan.

O Brasil é uma das potências do Wushu na América ao lado de Estados Unidos e Canadá, figurando sempre entre os 3 primeiros colocados nos Campeonatos Pan-Americanos. No último Campeonato Mundial, realizado em Jakarta/2015, trouxemos 4 medalhas, sendo uma de ouro e três de bronze. Mesmo competindo com países asiáticos que recebem muitos recursos de seus Comitês Olímpicos Nacionais e considerados como equipes profissionais, os atletas da Seleção Brasileira de Kungfu Wushu têm se destacado nos Campeonatos Mundiais.

O bom nível técnico dos brasileiros não se restringe aos atletas. Atualmente, o Brasil possui 8 árbitros internacionais com certificados da IWUF, sendo 3 de Taolu (rotinas): João Ferreira, Marcelo Yamada, Maximilian Kobayashi, Paula Amidani, Rodrigo Carazzato e Tania Sakanaka; e 2 de Sanda (combate): Kao Chiantou e Marcus Vinicius F. Alves.

A CBKW, apesar de ainda não contar com recursos do COB, possui uma estrutura bem definida e bastante organizada. Acreditamos que com novos parceiros e apoiadores a modalidade crescerá rapidamente em todo o país, tanto no que se refere ao número de praticantes como ao nível técnico dos atletas das categorias de base e de alto rendimento.


Em abril de 2016 a CBKW formalizou parceria com a Confederação Brasileira do Desporto Universitário. Em 2017 o Kungfu Wushu foi incluído como modalidade oficial na Liga Universitária de Lutas – LDU.

 

A CBKW conquistou o direito de sediar a sétima edição do Campeonato Mundial Júnior. O 7th World Junior Wushu Championships será realizado no Brasil em 2018 - pela primeira vez um Campeonato Mundial será realizado na América Latina. Estimamos a participação de aproximadamente 800 atletas de 70 países. A realização deste evento será um grande desafio para nós – ao mesmo tempo temos a certeza de que, uma vez realizado com sucesso, alavancará de vez a prática da modalidade em todo o país.